quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

A hora

Há uma coisa que me preocupa: saber quando devo ir para a maternidade? Não sei se é normal, mas é algo que me apoquenta. Por isso mesmo, reproduzo aqui um texto que encontrei no site da revista "Pais e Fihos":

Será que está na hora?
Texto: Patrícia Lamúrias
30 Janeiro 2009

Ainda está por descobrir o que desencadeia o trabalho do parto, a razão por que um bebé decide deixar a barriga da mãe naquele momento e não noutro. Sabe-se que várias substâncias estão envolvidas no processo (estrogéneos, progesterona, ocitocina, prostaglandinas), mas o modo como se conjugam para actuar é um mistério.
As prostaglandinas têm especial interferência no nascimento do bebé, pois fazem o útero contrair-se. De tal forma que alguns médicos usam-nas na forma sintética para induzir o parto. Estas substâncias são produzidas pelo organismo, mas a sua presença é até mil vezes mais concentrada no esperma. É por isso que ter relações sexuais nos tempos finais da gravidez pode adiantar a hora do parto. Mas esta velha técnica para acelerar o nascimento só funciona se outros factores também estiverem reunidos. Quais? Não se sabe ao certo.

Conclusão: é impossível determinar se o bebé está prestes a conhecer este mundo ou se ainda há tempo para fazer mais um casaquinho. Através do toque (um procedimento, supostamente indolor, que consiste na introdução de dois dedos na vagina para sentir o colo do útero), o médico poderá perceber se já há alguma dilatação, mas não consegue determinar quantos dias faltam para o grande momento.

TRABALHO DE PARTO EM CASA

Por muita ansiedade que todo este suspense possa provocar, é importante manter a calma quando achar que chegou a hora. O ideal seria passar a maior parte do trabalho de parto em casa, de preferência acompanhada. O marido é imprescindível, mas a presença de uma mulher com experiência pode dar uma confiança extra. Se estiver a ser acompanhada por uma doula terá esse apoio certamente. Caso contrário, a mãe ou uma amiga que já tenha passado pelo mesmo pode ajudá-la a viver este momento com tranquilidade a possível, pelo menos.
Em casa, poderá estar mais à vontade, na posição que quiser, com a sua roupa, num ambiente escolhido por si (pouca luz e música que lhe agrade, por exemplo). Quanto mais cedo for para o hospital, mais cedo perderá tudo isso. Muitas vezes, quando se chega à maternidade com pouca dilatação, o trabalho de parto pode até abrandar devido às mil exigências médicas que distraem o corpo e a mente da mulher do essencial.
No entanto, se se sentir muito ansiosa ou insegura não vale a pena insistir: a maternidade é o caminho. Na dúvida, telefone ao seu médico. Se estiver a falar ao telefone com um especialista enquanto tem uma contracção, de certeza que ele lhe saberá dizer em que fase do trabalho de parto está.
Prepare-se para ir para a maternidade nos próximos dias se:
Sentir o instinto do ninho: uns dias antes do parto, muitas mulheres sentem uma energia fora do normal para arrumar a casa. É uma reacção instintiva da mãe que quer preparar o «ninho» para a chegada do filho.
Perder peso: em geral, o aumento do peso abranda no último mês de gravidez. Quando o parto está próximo, há mulheres que perdem até um quilo.
As contracções de Braxton Hicks se intensificarem: estas contracções podem ocorrer a partir das 20 semanas de gravidez. São uma espécie de aperto no útero, que faz a barriga ficar dura, e servem para preparar o corpo para as verdadeiras contracções.
Perder o rolhão mucoso: esta funciona como uma tampa que sela o útero. Quando o útero começa a dilatar-se, a «tampa» solta-se. Isto tanto pode acontecer uma ou duas semanas antes do parto, como durante o próprio parto.
Tiver diarreia: algumas grávidas têm diarreia pouco antes de iniciarem o trabalho de parto. É uma forma de o organismo se ‘limpar’ para o parto.
A Lua Cheia estiver próxima: não há provas científicas, mas há provas empíricas de que nascem mais bebés em noite de Lua Cheia. Muitas enfermeiras-parteiras assim o comprovam. E se a Lua tem influência nas marés e na agricultura, também é lógico que tenha nas hormonas femininas.
Prepare-se para ir para a maternidade nas próximas horas se:
A bolsa de águas se romper: depois de rebentarem as águas, o trabalho de parto pode demorar 24 ou 48 horas, outras vezes pode demorar menos. O melhor é ficar em contacto com o seu médico. Mas não fique à espera que a bolsa rompa, pois só em 15 por cento dos casos o rompimento acontece antes do início de trabalho de parto.
Sentir contracções fortes e regulares: contracções regulares, mais prolongadas e mais dolorosas indicam que o parto está próximo. Quando as contracções atingirem a frequência regular de cinco em cinco minutos é o sinal «oficial» de que deve ir para o hospital (se for o primeiro filho, para os restantes é de 10 em 10).

3 comentários:

susie disse...

Eu acho que esse medo deve ser comum a todas as mamas de 1ª viagem.
Deve ser normal.
Beijocas

http://susel.blogs.sapo.pt

marga disse...

Uma hora pequenina, é o que mais desejo!Aprende tudo pra depois me ajudares qd eu precisar!

Sofia,Pedro e Joana disse...

Excelente texto!
Posso contar contigo para o encontro de (futuras)mamãs que estou a organizar?Passa pelo meu cantinho e lê o texto de ontem, dia 5 :-)
Beijinhos e bom fim-de-semana, Sofia,Pedro e Joana