domingo, 28 de setembro de 2008

Espera

Pois é, por aqui as notícias têm sido poucas. Vivo agora um período de espera. Vou praticando, claro, muitas das vezes sem o intuito de engravidar. É uma fase gira, pois não sei se já estou grávida ou não. É improvável (pois parece-me que nos dias de hoje são poucas as pessoas a engravidar à primeira tentativa), mas é possível, uma vez que não uso qualquer tipo de protecção.
O próximo fim-de-semana será, em princípio, o fim do meu ciclo. Aí vos direi se o período aparece, ou não. Eu, por cá, espero que não.

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Não sei porquê mas o blogue assume que hoje é sexta-feira, dia 19, mas não. Hoje, dia em que estou a escrever isto (e o post anterior) é sábado, dia 20 de Setembro. Foi na sexta-feira, 19, que fui ao médico e é essa a data que marca oficialmente o início da minha viagem pela maternidade. Ou pela futura maternidade.

Contagem crescente...

Novidades, trago muitas novidades. Ontem, sexta-feira, fui ao ginecologista mostrar as análises que me mandou fazer. Está tudo óptimo, sou imune à toxoplasmose e à rubeula. Conclusão: posso começar a tentar engravidar.
Aqui reproduzo a conversa com o médico, para mais tarde recordar. Fui só mostrar as análises, pelo que não precisei de marcar consulta. Chamou-me viu os exames e disse: "Estás imune a toxoplasmose, estás imune à rubeula também. Estás muito bem protegida. Podes avançar. Agora é - como dizem os brasileiros - esperar que o bicho pegue".

Bem dito bem feito. Como menina obediente e bem comportada, comecámos já os treinos. Agora sim posso dizer, estou a tentar engravidar. Estou no meu período fértil. Vamos ver. Com calma, claro.

Yupi!

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Conselho de alguém completamente inexperiente nisto

Os dias que se seguiram à decisão de tentar engravidar, foram de ansiedade. Li livros, naveguei na net na busca de temas relacionados com o assunto e estava já a fazer concessões por estar grávida, muito antes de o estar.
A espera por ir ao médico dizer "quero engravidar" foi grande, custou a passar, mas ajudou. Ajudou a que eu tivesse que me dedicar a outras coisas e a não pensar apenas e só neste assunto.
Estou a pensar nas férias de Outubro/Novembro, já me inscrevi para o Encontro Nacional da Amnistia Internacional, tenho que planear a minha festa de anos e tenho os fins-de-semana bem ocupados. Além de tudo isto, tenho mesmo que trabalhar e a minha profissão exige toda a minha concentração.
No meio de tudo isto, a vontade de engravidar é exactamente a mesma.Imagino como será e quero mesmo que chegue a hora em que o médico diga "pode começar a tentar". Mas estou diferente. Mais madura, mais sensata e menos "ai jesus que eu morro se não conseguir engravidar". Quero muito, mais tenho tempo e entretanto vou disfrutando esta vontade, passo a passo, curtindo uma fase nova da minha vida, uma fase que, por mais que se repita, nunca será igual.
Esta é uma dica. Pensem no assunto, mas não deixei de viver por causa disso. Não ponham a vossa rotina em stand-by à espera de um dia em que, talvez, possam estar grávidas. Assim, não tiram prazer desta altura tão bonita das vossas vidas.

Resultados dos exames

Já fiz os exames todos e já tenho os resultados. Ainda não quis abrir para não correr o risco de interpretar mal algum resultado. Amanhã às 14 horas vou ao ginecologista/obstetra mostrá-los.
Agora foca a questão? O que será que ele vai dizer? Que já posso tentar engravidar? Que espere mais um tempo, já que só deixei de tomar a pílula em Agosto e como tal só tive ainda um ciclo menstrual normal? Não sei. Amanhã vos dou mais notícias. Seja como for, amanhã e os próximos dias são dias de período fértil. Nunca se sabe como a resposta do médico pode ditar o meu futuro. O nosso futuro.

sábado, 13 de setembro de 2008

Legumes

Já recebi o meu primeiro cabaz de legumes biológicos. Vinha tão bonito, que tive tanta vontade de lhe mexer, que me esqueci de tirar uma fotografia para pôr aqui. Para a próxima. Outros hão-de vir.

Exames a fazer

Para quem anda a planear a gravidez, como eu, aqui vão umas dicas. Deixar de tomar a pílula é um dos passos, claro. Depois há exames a fazer e medicação a tomar. O meu ginecologista receitou-me Raycept (1/2 comprimido por dia) até que, como disse, "aconteça aquilo que eu quero que aconteça". Depois mandou-me fazer as seguintes análises:
Hemograma completo
Leucograma
Plaquetas
Glicemia em jejum
Creatinina
Ácido Úrico
AGHBS
HIV 1 e 2
VDRL
Toxicoplasmose
Rubéola
Urocultura
Função hepática
Grupo sanguíneo

É bom salientar que eu, como tenho vindo a ser acompanhada pelo mesmo médico há já alguns anos, não tive que fazer mais exames ginecológicos, uma vez que os fiz há pouco tempo.

Espera

Na quinta-feira fui passar a manhão no centro de saúde à espera de vez para a médica me trasncrever os exames que o ginecologista me mandou fazer. Na sexta-feira fui fazê-los na esperança de que mão demorassem muito e que já segunda pudesse ir mostrá-los ao médico. Enganei-me. Só estão prontos na quarta e por isso sá na sexta os posso ir mostrar.
Recordam-se de eu dizer que não quero que ninguém saiba, para já? Pois bem, eu vivo numa terra relativamente pequena e onde toda a gente conhece a minha mãe. A pessoa que me tirou sangue conhece bem a minha mãe e a mim. Eu não lhe disse o porquê das análises, mas uma mulher experiente na área, sabe qual a finalidade daqueles exames. Só espero que ela não encontra a minha mãe e lhe diga: "Então a sua filha anda a tentar engravidar?". Resta-me ter fé e acreditar que vou conseguir levar a surpresa até ao fim.
Entretanto, sem exames e sem médico, continuo a ter que utilizar precauções. Que desperdício. Pensar que podia estar já a "trabalhar" no meu menino.

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Com calma

Não sei se dá para perceber, mas eu ainda não comecei a tentar, efectivamente, engravidar. Deixei de tomar a pílula, comecei a tomar o medicamento que o gine me mandou, mas enquanto não tiver o resultado dos exames, tomo as devidas precauções.
Hoje apareceu-me o período, o primeiro desde que deixei a pílula. É o retomar dos ciclos que deixei há quase 9 anos, data em que comecei a tomar o comprimido.
Espero que - assim o médico o permita - seja dos últimos dos próximos nove meses...

domingo, 7 de setembro de 2008

As primeiras e precoces mudanças

Ainda não estou sequer a tentar engravidar (uma vez que ainda tenho que fazer exames médicos)e já a minha vida levou algumas voltas. A alimentação é uma delas. Há muito que penso "tenho que fazer uma alimentação mais saudável", mas nunca passei à prática. Pois bem, desde que tomei esta decisão e agora que estou mais perto de ouvir o médico dizer "Vá em frente", que comecei a fazer mudanças. Sexta-feira recebo já o meu primeiro cabaz de legumes biológicos. Até nascer (recorde-se que primeiro terei que engravidar), vou comer bem, a pensar no meu pequeno que há-de vir.
Outras coisas mudaram também: já fui buscar as minhas agulhas de fazer malha (veja-se que a única coisa que fiz na vida foi um cachecol) e vou começar a praticar para fazer qual coisa... ou muito me engano ou, assim que for assumido, empurro a tarefa para a minha mãe que tem bem mais jeitinho que eu.
Depois pensam-se nas outras coisas como em trocar de carro, porque o meu é pequeno e não tem ar condicionado e começa-se já a pensar como tornaremos o "estúdio" do pai, num quarto de bebé...

Coisas inevitáveis, mesmo quando não se quer sonhar muito, para não alimentar expectativas, que possam gerar desilusões...

Mas é mesmo só pensar... o bom mesmo vai ser concretizar.

O nosso segredo

Enquanto relato neste blog a minha primeira (e espero que não a última) aventura pelo mundo da maternidade (ou pelo menos assim o pretendo), no mundo real, são poucas as pessoas a saber que este sonho está, no que depender de mim, para breve. Sei eu e o futuro pai, claro, e o médico. Mais ninguém. Nem mãe, nem sogra, nem amigas, nem colegas de trabalho. É um sonho que queremos viver sozinhos até que se concretize. Evitam-se as perguntas e a ansiedade acrescida pelas questões de quem está de fora. É um segredo nosso e uma surpresa ainda maior para quem descobrir quando for, de facto, uma realidade.

Tempo

Desde que decidi tentar engravidar, que tenho lido imenso sobre o assunto. Tenho também procurado coisas na internet e os testemunhos que encontro deixam-me apreensiva. É de pasmar o número de mulheres que tenta engravidar e não consegue. Passam meses atrás de meses, na ânsia do dia em que a menstruação não chega. Mas ela chega sempre. A ansiedade aumenta e não deve ajudar. É um ciclo que custa a ter fim e que, certamente, desgasta.
Não estou livre de passar pelo mesmo. Espero que não aconteça. Para já, não quero pensar nisso. Vou andando devagarinho, sem pressas, acreditando que, quando tiver que ser, será.

quinta-feira, 4 de setembro de 2008

O assumir

Hoje dei o segundo grande passo na concretização deste sonho, deste plano. O primeiro passo foi a decisão. Foi um momento fantástico perceber que tanto eu como ele, estávamos dispostos a assumir, perante o outro e o mundo, que sim, queremos ter um filho e estar ligados para sempre, aconteça o que acontecer.
Quando uma pessoa não assina papéis, parece que os outros nos vêem ainda como um mero namoro, não assim tão sério. Neste momento, nada pode ser mais sério do que isto que nós temos. Com ou sem papel...
Depois de um mês à espera que acabassem as férias do ginecologista, chegou o segundo passo. Dizer alto e a terceiros: "Quero engravidar". Os nervos que senti antes da consulta foram muitos. No final, a felicidade era ainda maior. Tinha começado a dizer ao mundo que estou preparada para ser mãe.
Agora resta fazer os exames e começar a tomar o que me medicou. Em breve estarei pronta para ti...